Educação internacional e o desafio da cidadania global ? – Sphere | International School

Educação internacional e o desafio da cidadania global ?

“Words can easily become labels, dead and useless. The word or subject matter should not take place of the process; it is the process of solving problems that releases intelligence, talent and genius.” Viola Spolin

 “As palavras podem tornar-se rótulos, mortos e inúteis. A palavra ou o conteúdo não devem substituir o processo; é o processo de resolução de problemas que libera a inteligência, o talento e a genialidade.” Viola Spolin

O cenário mundial não oferece sinais de mudanças rápidas no que diz respeito à desigualdade de acesso a recursos materiais ou simbólicos, como é o caso da educação. Ao mesmo tempo, a sociedade contemporânea mantém ritmos acelerados de produção de conhecimento e progresso tecnológico. Como navegar esse contexto, conectando-se a diferentes realidades e gerando mudanças e inovações para um futuro sustentável?

Educação Internacional

A educação internacional assume esse desafio ao valorizar a cidadania global como um de seus principais pilares. O desenvolvimento da cidadania global e da consciência intercultural demanda uma abordagem de ensino que valoriza a resolução de problemas situados e conectados à vida que se vive, sejam eles locais ou globais.

Na Educação infantil e nos anos iniciais do Ensino Fundamental da Sphere International School,  um currículo transdisciplinar e baseado em projetos parte da problematização de situações sociais e compreensões conceituais relacionadas a diferentes contextos de aprendizagem. O currículo integrado em português e inglês e alinhado à BNCC (Base Nacional Comum Curricular) é realizado por meio do “inquiry”, ou seja, da investigação dialógica. Combina elementos que promovem a curiosidade, a criatividade, o pensamento crítico e a resolução de problemas em situações contextualizadas e relevantes.

Como funciona a educação internacional

Um exemplo disso seria como uma criança de seis anos percebe que “a saúde do corpo humano depende de hábitos saudáveis e escolhas bem informadas”. A criança vive situações que exigem uma crescente autonomia com a própria alimentação, higiene, tempos de brincar, descansar ou estudar, por exemplo. Como problematizar questões como essas e muitas outras para crianças tão pequenas e em duas línguas de instrução? Pensando nisso, a equipe pedagógica Sphere desenvolveu processos de planejamento colaborativo entre professores tutores, assistentes e especialistas, que atuam tanto em inglês como em português. A integração entre os professores, nas diferentes línguas da escola, é fundamental para que os alunos percebam que os saberes só se fortalecem com a ampliação de perspectivas e a partir da colaboração entre os vários membros de uma comunidade.

A colaboração, como propulsora da criatividade e inovação, deve ser vista como constituinte dos processos educativos, sejam eles no âmbito do currículo, do planejamento, da sala de aula ou da vida escolar de modo mais amplo. Voltando ao exemplo citado acima, conversar com a equipe de alimentação da escola ou com pais convidados são possíveis modos de aproximar os alunos da vida real. Usar a tecnologia para indagar sobre como as crianças se alimentam em diferentes contextos e culturas também é uma forma de ampliar pontos de vista. Experimentar e levantar hipóteses sobre microorganismos, fazer um pequeno vídeo tutorial de como lavar bem as mãos, experimentar brincadeiras novas, sugeridas pelas famílias ou colaboradores das diversas áreas da escola, essas e outras possibilidades de criação de contextos de ensino-aprendizagem levam em conta a agência da aluno e do professor, e os resultados são surpreendentes! Além da provocação ao pensamento crítico e criativo, ao longo do processo de formação de conceitos e conhecimentos, as novas palavras acompanham, nas duas línguas.

 

Participação ativa dos pais na constução dos saberes

Banco de talentos de pais na escola referência, em São José dos Campos.

O contexto educacional bilíngue favorece a ampliação do repertório do aluno e, com intencionalidade pedagógica, as línguas se fortalecem na medida em que também se fortalecem os novos conceitos. Pensar e interagir em duas ou mais línguas faz com que o aluno estabeleça constantes transferências e conexões, ampliando suas possibilidades de significação.

A escola internacional, portanto, posiciona-se como aquela que deseja desenvolver cidadãos críticos, hábeis em múltiplas linguagens e tecnologias, equilibrados e conhecedores, que buscam soluções para problemas que ainda não podem ser antecipados, mas que podem ser enfrentados com ações colaborativas, criativas e inovadoras, de modo responsável e direcionadas à sociedade do futuro.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

2 Responses

    1. Ficamos felizes que você gostou do nosso conteúdo, Anderson!
      Acompanhe nosso blog e nossas redes sociais para receber os conteúdos da Sphere 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *