Tecnologia Educacional: Muito além dos dispositivos e redes ? – Sphere | International School

Tecnologia Educacional: Muito além dos dispositivos e redes ?

O que a tecnologia nos traz hoje é integração de todos os espaços e tempos. O ensinar e o aprender acontecem em uma interligação simbiótica, profunda e constante entre os chamados mundo físico e digital. Não são dois mundos ou espaços, mas um espaço estendido, uma sala de aula ampliada, que se mescla, hibridiza constantemente.

(MORAN, José. Educação Híbrida: Um conceito-chave para a educação, hoje. In BACICH, Lilian; NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando. Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. P. 39)

Salas de aula online, flipped classroom, objetos educacionais digitais, e-books, impressoras 3D, uso de celular ou tablet em sala de aula (ou em casa, nas tarefas, trabalhos escolares ou projetos), EAD/AVA, aula híbrida, Maker, Fab Lab… Novos termos, como esses aqui mencionados, adentraram as escolas em todo o mundo e, também aportaram no Brasil.

São muito mais que vocábulos ou modismos, como a princípio alguns podem pensar. Fazem parte de um novo universo que abrange não apenas a educação, mas também esse segmento. Diga-se de passagem que a educação, como elemento formativo das pessoas e da sociedade em geral, deveria estar na dianteira dos processos de introdução ao conhecimento e uso de tecnologias, em especial, no que se refere a sua aplicação em suas próprias salas de aula, algo a ser iniciado já na formação dos professores, nas universidades.

Tecnologia na Educação

É importante estar atento ao fato de que todos os recursos, plataformas, metodologias, dispositivos e redes que foram criados ou que surgirão no horizonte da educação brasileira ou mundial compõem uma nova área de atuação profissional nas escolas chamada Tecnologia Educacional.

Numa linguagem mais simples, a Tecnologia Educacional incorpora recursos, estratégias, metodologias e linguagens ao trabalho dos educadores e estudantes, para que eles possam dinamizar o ensino, a aprendizagem, os estudos, as pesquisas e as avaliações, com a mediação de plataformas e dispositivos, permitindo maior agilidade, coleta plena de dados, diversidade de meios de apresentação da informação, variedade de atividades, registro regular e em formatos diferentes e validação por meio de diferentes respostas e interações ensejadas em tais meios digitais.

Como funciona a tecnologia educacional na prática

Na Sphere International School as ações com tecnologia estão inseridas no currículo regular, por meio do currículo de Design, através das quais na interseção com as áreas do conhecimento contempladas nas aulas diárias, nos diferentes campos do conhecimento (ciências humanas, ciências da natureza, linguagens e matemática), desenvolvem-se atividades STEAM (Science, Technology, Engineering, Arts and Mathematics), com projetos Maker, programação, design e letramento digital. Isso já acontece desde o Year 1, ou seja, desde o início do ensino fundamental até o final desta etapa de formação. Tudo planejado de forma consciente, com a criação de documentos orientadores da ação docente, estabelecendo e descrevendo as premissas e objetivos desta iniciativa para a formação dos alunos da escola.

Alunos utilizando a tecnologia em sala de aula

Alunos utilizando a tecnologia no processo de aprendizagem

Sem este aporte tecnológico, com suporte de metodologias ativas e projetos, imaginem, por exemplo, qual a possibilidade de êxito e empatia do professor nesta segunda década do século XXI, ao entrar na sala de aula de hoje, com mapas de papel, esquadros ou transferidores para uso em lousas convencionais, dicionários ou enciclopédias impressos, livros didáticos e paradidáticos ou recursos afins, somente munido de tais tipos de ferramentas educacionais, sem qualquer recurso digital ou estratégia de ensino que motive os estudantes, desafiando-os, estimulando-os, criando conexões, por meio de uma linguagem que para eles é própria de seu tempo e, dessa forma, tornando-os protagonistas das aulas? Reduzidas as chances, não acham?
É importante, no entanto, estar atento ao fato de que a inclusão das tecnologias educacionais nas escolas representa uma mudança não apenas relacionada a inclusão de recursos, estamos vivendo uma nova era, que obrigatoriamente nos leva a mudança de cultura e superação de práticas arcaicas. As novas salas de aula, com as tecnologias educacionais, tornam os alunos tão protagonistas das aulas quanto os professores e, não significam que tudo será digital, mas que temos a partir de agora, em nosso cotidiano, estas extraordinárias ferramentas e o desafio de fazer com que realmente nos auxiliem a tornar ainda melhor o ensino e a aprendizagem em nossas escolas.

Em se pensando ainda, num cenário como o atual, no início deste ano de 2020, em que o Brasil e o mundo, por conta da pandemia de Coronavírus, tem aulas interrompidas, escolas fechadas, estudantes de todas as faixas etárias e segmentos educacionais tendo que ficar em casa, o uso das tecnologias educacionais torna-se ainda mais premente, necessário e, consequentemente, sua compreensão e estruturação, técnica e pedagógica, para utilização em escala ainda mais ampla.

As escolas precisam, portanto, estar preparadas para este uso, promovendo os recursos entre seus profissionais, comunicando a comunidade (alunos e pais ou responsáveis) as plataformas e metodologias que utiliza em suas aulas e cursos, mostrando-se atenta as necessidades e a modernidade que se fazem presentes.

Sobre o

João Luís de Almeida Machado Doutor em educação pela PUC-SP; Mestre pela Universidade Presbiteriana Mackenzie em Educação, Arte e História da Cultura; Graduado em História pela Univap/FVE; Pós-doutorando em Educação pela Unicamp. Atuou como professor universitário e em pós-graduação na Unitau, no Senac, na Faculdade Bilac e na Univap. Atuou em tecnologia educacional no Planeta Educação, no Poliedro e na TV Cultura/Fundação Padre Anchieta. Atuou como professor do ensino básico, Ensino Fundamental e Médio, em EJA (Educação de Jovens e Adultos), Ensino de Língua Estrangeira (Inglês) e em Faculdades para a 3ª Idade. Foi curador do projeto YouTube Edu, em parceria com o Google e a Fundação Lemann entre 2013 e 2019. Atualmente atua como especialista em tecnologia educacional na Sphere International School

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

One Response

Deixe uma resposta para Aline Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *