Reflexão sobre o emocional das crianças e o Covid-19 ?‍♀️ – Sphere | International School

Reflexão sobre o emocional das crianças e o Covid-19 ?‍♀️

Nas últimas semanas, o mundo todo experienciou uma grande mudança no modo como fazíamos as coisas. Nunca antes vivemos algo parecido: isolamento social, confinamento, insegurança, aulas transferidas para o ambiente online ou paralisadas, excesso de informações e muitos outros.

Os adultos que já entendem os impactos da pandemia Covid-19 na nossa sociedade podem sofrer com sentimentos de medo, ansiedade, insegurança e depressão. Porém, as crianças também são uma preocupação, uma vez que se sentem perdidas com as mudanças e não as entendem totalmente, além de internalizar as angústias dos adultos.

Esses sentimentos podem se manifestar de diferentes formas em crianças, desde comportamentos mais carentes, ansiedade, isolamento, raiva ou agitação e até mesmo xixi na cama. Por isso, é importante que as famílias tomem algumas atitudes para acalmá-los e lhes dar segurança nesse período difícil.


Como funciona a tecnologia educacional na prática

1- Escutar as preocupações e medos das crianças

As crianças são sensíveis às mudanças ao seu redor e, independente da idade, já devem ter percebido que algo está acontecendo. Pessoas andando nas ruas com máscara, conversas sobre falecimento e a transferência das aulas para o ambiente digital são quebras em suas rotinas e uma porta para a imaginação. Por isso, é importante escutar as preocupações, medos e dúvidas das crianças. Uma atividade recomendada também é pedir para que eles tentem nomear e/ou desenhar os sentimentos.

As respostas devem ser sempre acolhedoras e calmas. Além disso, é importante neste momento dar extra carinho e atenção aos pequenos.

2- Compartilhar fatos

É importante ajudar as crianças a separar o que é verdade do que são fantasias geradas a partir do medo. Explicar calmamente e em uma linguagem que elas possam entender, dependendo da idade, o que está acontecendo. Falar também das medidas de segurança que eles devem tomar para evitar a doença e sempre que possível tornar isso em algo divertido!

Cantar uma música ao lavar as mãos, inventar novas formas de se cumprimentar, colocar o coronavírus como um vilão de uma história que vai ser combatido pelo super herói com a sua arma secreta: o sabão! As próprias crianças podem ser os protagonistas dessa história. A criatividade sem informações pode gerar sentimentos negativos para as crianças ou pode ser uma fonte de segurança, quando incentivada de forma correta.

3- Manter uma rotina

Mesmo confinados dentro de casa é importante manter uma rotina. Ter horários para acordar, comer, estudar, assistir TV, brincar, relaxar e dormir os ajudam a se adaptar e tornar os dias menos ociosos. Neste momento, a atenção e participação das famílias são essenciais para ajudar os pequenos a se ajustarem e até mesmo para sugerir novas atividades.

Dependendo da idade, eles podem até ajudar em algumas tarefas de casa.

4- Manter as crianças próximas da família

Se manter por perto para conseguir dar segurança e auxiliá-los com seus sentimentos e atividades. Se a separação acontecer, no caso de hospitalização, por exemplo, manter contato regularmente. A tecnologia é aliada nesse sentido e celulares podem ser usados como ferramenta para essa comunicação.

5 – Praticar Mindfulness

Mindfulness é um conjunto de técnicas que auxiliam a focar no momento presente, tirando as angústias do que já foi e a ansiedade pelo o que virá.

Tanto para adultos como crianças e adolescentes, esses exercícios ajudam a compreender o agora, sentimentos e sensações.

Acompanhe no vídeo abaixo o relato de famílias que estão há mais tempo enfrentando este período de Covid-19:

Se ainda assim sentir uma dificuldade emocional na criança e mudanças recorrentes no comportamento, deve-se procurar uma ajuda profissional de psicólogos especializados em crianças.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *