Dia Mundial da Educação ? – Sphere | International School

Dia Mundial da Educação ?

Aprender em casa com a tecnologia (e sem ela também!)

O Dia Mundial da Educação é celebrado em 28 de abril. Em um momento como o atual, em que vivemos a pandemia da Covid-19, e as escolas no Brasil e de todo o mundo estão fechadas para evitar que nossas crianças, adolescentes e jovens possam ser contaminados por esta doença, vivemos uma transformação rápida e necessária da forma como educamos. Estamos nos adaptando a um cenário em que as salas de aula físicas estão sendo realocadas para o espaço virtual. Nesse novo cenário para a educação os educadores aprendem e reaprendem procedimentos para que novas formas de ensinar floresçam e tenham bons resultados. Nesse caminho, novo e desafiador, faz-se ainda mais necessária a parceria entre escola e família, para que juntos, de mãos dadas, a educação esteja ainda mais viva e possa trazer frutos para todos os estudantes do mundo.

Como funciona a tecnologia educacional na prática

E como os pais podem ajudar seus filhos?

“Os pais devem ser envolvidos em qualquer esforço de inovação. Se eles não entendem o que está acontecendo e por que isso irá beneficiar seus filhos, podem rápida e compreensivelmente se tornarem barreiras à mudança. No entanto, eles também podem ser os maiores defensores de todo o projeto.”

(HORN, Michael; STAKER, Heather. Blended: Usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015. Pág. 271.)

A Covid-19 nos fez entrar em isolamento social e, com isso, famílias inteiras acabaram fechadas em suas casas, compartilhando espaço e (re)aprendendo esse convívio tão necessário. Em meio a este hiato na vida cotidiana, fora de casa, quando a escola e o trabalho, entre outros afazeres, nos faziam circular, passamos a ter que organizar nossa vida entre as paredes de nossas casas ou apartamentos.

Inicialmente temos que entender o que significa tudo isso, ou seja, compreender tanto a mudança relacionada a transferência de atividades do presencial para o digital, quanto o que é possível continuar fazendo fora das telinhas, no envolvimento entre pais e filhos nesta educação a ser efetivada fora das quatro linhas das salas de aula.

No digital, para facilitar, vamos listar 3 ações importantes a serem realizadas para um melhor uso das tecnologias nos estudos. Clique nas ações para acompanhar as dicas:

1- Quais são as plataformas e aplicativos que a escola de seu filho ou filha utiliza? Você sabe que ferramentas são adotadas pelos professores e gestores da instituição em que matriculou suas crianças ou adolescentes? 📱

Esse passo é primordial, só a partir dele é que será possível dar apoio no estudo online. Peça a direção ou coordenação da escola um guia de acesso, no qual constem informações básicas, como links de acesso, logins e senhas (do aluno e, se for o caso, dos pais ou responsáveis), o que tal plataforma permite, com que periodicidade deve ser usada, como os responsáveis pelo estudante podem ou devem atuar… Depois disso, acesse os recursos, faça um tour pelas funcionalidades, veja o que seu(s) filho(s) conhecem da(s) ferramenta(s), ofereça apoio e passe a acompanhar as atividades deles nestes domínios. Tendo, inclusive, a compreensão do que significam as tarefas escolares, num âmbito mais amplo, como parte de um conjunto de atividades concatenadas que, por meio das tecnologias (ou não), vão além da simples resolução de atividades, projetos ou exercícios. Nesse sentido, vale sempre relembrar o que nos ensina Jose Gimeno Sacristan em seu já clássico livro sobre Currículo, ao abordar o tema:

“Uma tarefa não é uma atividade instantânea, desordenada e desarticulada, mas algo que tem uma ordem interna, um curso de ação que, de alguma forma, pode se prever porque obedece a um esquema de atuação prática, que mantém um prolongamento no tempo, ao se desenvolver através de um processo…” (SACRISTAN, Jose G. O Currículo. 3ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2000. Pág. 208)

2- Orientar, monitorar, ensinar… O que fazer para apoiar os filhos no estudo online (e presencial também!)? 🔦

Nos estudos em casa, os pais irão atuar sempre em todas estas frentes e não apenas em uma delas. Orientar significa dar norte, literalmente, tanto no sentido de organizar as ações (presenciais ou online) para que ocorram regularmente, todos os dias, de modo a consolidar juntamente aos seus filhos, o hábito do estudo, de realizar os compromissos e tarefas, de atuar em grupo ou individualmente para atingir os objetivos de aprendizagem. Monitorar representa a ação de acompanhamento, ou seja, de demonstrar interesse, de saber o que está acontecendo, de verificar se as atividades previstas estão sendo realizadas e, na medida do possível, oferecer apoio, se necessário. Ensinar é, por sua vez, algo que está relacionado não apenas a auxiliar na compreensão de conteúdo específico das áreas do conhecimento, também isso, é claro, mas estabelecer juntamente aos filhos a capacidade de aprender a aprender, estimulando a leitura ampla, não apenas das letras e números, mas de imagens, vídeos e diferentes formas de apresentação de ideias e conceitos, tanto quanto de organizar as ações e se relacionar com as pessoas, o mundo e, dessa forma, se preparar para solucionar problemas e encontrar as respostas para os desafios da vida, pessoal e coletiva.

3- Cuidados e ética no mundo virtual… Como proceder? 🔎

Sim, a internet é uma porta para o mundo, naquilo que há de bom e no que há de ruim e perigoso também. Igualmente, é um universo no qual a interação é constante, por diferentes e diversos canais e ferramentas, como os aplicativos das escolas ou as plataformas que usamos no trabalho. Neste sentido é preciso que os pais, em comum acordo com a escola dos filhos, devem ter ciência da ética e das leis que regem o uso de tecnologias para fins educacionais (e, também, fora desse contexto). O Brasil, por exemplo, em breve, terá em vigência a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que estabelece princípios e práticas, definindo limites e possibilidades para uso das tecnologias na vida de todos, inclusive das escolas, educadores, estudantes e famílias. É preciso estar por dentro e conhecer direitos e deveres relacionados a utilização do universo digital. Além da lei, há a ética, que preconiza o uso de linguagem adequada, o acesso a ambientes adequados a faixa etária, a utilização de dados verdadeiros, a não apropriação de conteúdo que não seja produzido por si próprio sem esclarecer as fontes, a preocupação com acesso a bases de dados não seguras e representativas, o não uso de imagem ou identidade alheia…

Será que os pais estão atentos a isso? E mais, em qualquer uma das ações mencionadas, é preciso que o exemplo se sobreponha as palavras. Crianças e adolescentes aprendem muito a partir daquilo que percebem nas ações de seus pais, professores e de outros adultos com os quais convivem. Assumem responsabilidade ao perceber que seus pares, sejam professores ou pais, agem de forma responsável e coerente.

“Os estudantes aprendem o que vivenciam. Se os estudantes convivem com as consequências de seus atos – são responsáveis, corresponsáveis pelo seu processo de aprendizagem – aprendem a se tornar responsáveis. Se convivem com expectativas positivas, aprendem a construir um mundo melhor. Se convivem com respeito no trabalho em grupo e nos salões compartilhados, aprendem a ter consideração pelos outros. Se convivem com o apoio de educadores e de outros estudantes, aprendem a se apoiar e a se aceitar melhor. Se convivem com a responsabilidade, aprendem a ser autossuficientes.” [SENNA, Célia; MORAIS, Sarah; ROSA, Daniela; FERNANDEZ, Amélia. Metodologias ativas de aprendizagem: elaboração de roteiros de estudos em “salas sem paredes”. In Metodologias para uma uma educação inovadora. BACICH, Lilian; MORAN, José (orgs). Porto Alegre: Penso, 2018. Pág. 221]

Neste Dia Mundial da Educação vale a reflexão sobre comprometimento da escola e família com os alunos, e como irão incentivar (ou não) o estudo e a busca de referências culturais, seja no mundo presencial ou virtual.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

One Response

  1. Nesses tempos difíceis,a única área que pôde ser contemplada acho que foi da educação, porque aí sim eu pude ver inclusão social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *