Design: Como promover a criatividade dos alunos? – Sphere | International School

Design: Como promover a criatividade dos alunos?

Um dos principais pontos destacados por Ken Robinson, autor e palestrante internacional em educação, é que a escola “mata” a criatividade. Essa visão é compartilhada por alguns educadores que acompanham as crescentes demandas da trajetória do aluno ao longo de sua educação básica.

Outra evidência dessa afirmação são os números de atividades que são de criação livre, como desenho, pintura, modelagem e brincadeiras para desenvolver habilidades psico-motoras que vão esmaecendo ao longo da trajetória escolar.

Portanto, como a escola pode proporcionar momentos que permitam aos estudantes desenvolverem a criatividade? 

 

Como funciona a tecnologia educacional na prática

Neste sentido, surge a necessidade de elaborar um currículo que permita momentos de criatividade unidos com tecnologia, para o desenvolvimento de habilidades que vão se aprofundando com o passar dos anos escolares.

Um exemplo prático é o currículo de Design, desenvolvido na Sphere International School. Uma das perspectivas do currículo de Design é convergir elementos que permitam aos estudantes momentos em que possam criar, montar, desmontar, empreender, errar, corrigir, discutir, mudar, entre outras ações que são pouco exploradas em outras disciplinas.

As aulas de Design são desenvolvidas em quatro eixos principais: Letramento Digital, Programação, Maker e Design Gráfico.

Letramento Digital

No eixo letramento digital o aluno é apresentado a diferentes ferramentas digitais e formas de expressão por meio da tecnologia. Essas habilidades são essenciais para o desenvolvimento de atividades que demandam a escrita de documentos, elaboração de planilhas, animações, ilustrações, apresentações e vídeos, entre outros.

Programação

No eixo de programação o aluno deve compor um conteúdo mínimo de habilidades para desenvolver lógica, algoritmo de ideias, sequência de passos, estruturação e organização de dados e programação em linguagem de blocos.

Programação

Maker

No eixo Maker o aluno desenvolve habilidades de modelagem, construção, desenho de modelos 2D e 3D, e planejamento.

Design Gráfico

No eixo de Design Gráfico são exploradas habilidades de produção digital, com foco na linguagem visual. As atividades incluem desde a produção de apresentações, cartazes, slides, estudo de cores, composição de luz, legenda, enquadramento, produção e pós-produção de vídeos.

Evidente que este currículo deve direcionar os quatro eixos com as devidas doses em cada um dos anos, para que, de forma gradual os estudantes possam se sentir engajados no processo de desenvolver habilidades tecnológicas e criativas.

E como fica o professor com uma disciplina tão abrangente?

O papel do professor diante de um currículo flexível inclui modelar, inspirar e  mediar aprendizagens. Ele deve transitar com habilidade entre os eixos para poder direcionar os estudantes em busca de soluções, tomadas de decisões e administrar os conflitos que surgirão durante o processo.

Estas ações introjetam nos estudantes responsabilidade, amadurecimento, resiliência e austeridade. Elas vão ao encontro do que se espera de um cidadão preparado para um futuro muito próximo. Nessa direção, teremos a certeza de que proporcionamos momentos para o desenvolvimento de habilidades necessárias à superação dos muitos desafios que estão por vir. Afinal, quando nos deparamos com a possível morte da criatividade nas escolas soubemos usar dela para chegar à uma solução.

Douglas Vilela

Físico e Mestre em Educação em Ciências e Matemática pela UFScar, Doutor em Física Atômica pelo ITA. Coordenador de Tecnologia Educacional na Sphere.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *