A escola está fechada, mas o aprendizado continua! Lições aprendidas com a COVID-19 – Sphere | International School

A escola está fechada, mas o aprendizado continua! Lições aprendidas com a COVID-19

Sandra Chow, diretora de inovação da Keystone Academy of Beijing, compartilhou três dicas importantes para educadores em contextos de ensino remoto. Assim como a Sphere International School, a Keystone Academy of Beijing é uma escola internacional bilíngue, que valoriza a língua e cultura locais, incorporando-as em um currículo integrado. No texto que segue, Sandra relata como as escolas chinesas enfrentam a crise do COVID-19 e o que deve ser priorizado neste momento.

Em janeiro de 2020, no meio do feriado do Ano Novo Chinês, o coronavírus COVID-19 atingiu um ponto crítico na China e muitas escolas foram forçadas a fechar sem aviso prévio. Tendo aprendido com o surto de SARS e o H1N1, as escolas responderam imediatamente e colocaram em movimento planos que permitiriam que o aprendizado continuasse apesar das escolas serem fechadas.

Esses planos de aprendizado on-line foram revisados e implementandos pela primeira vez ou materializados em poucos dias para responder à situação. Formadores em tecnologia da educação se esforçaram para criar recursos, vídeos de treinamento e infográficos para apoiar professores e alunos no que em breve se tornaria um experimento de prazo mais longo do que o esperado. Os administradores tentaram entender as incertezas, comunicando aos pais, professores e alunos seus melhores planos.

Embora todos estivessem operando no modo de sobrevivência, o que ficou evidente nesse evento é que as escolas estão mais equipadas do que nunca para permitir que o trabalho funcione como de costume, mesmo quando as instalações da escola estão fechadas. No passado, fazia todo o sentido cancelar a escola durante uma tempestade de inverno sem considerar continuar as aulas, mas, com a tecnologia e os recursos digitais disponíveis hoje, faz sentido interromper o aprendizado por não podermos nos encontrar fisicamente? Como nós, como escolas, aprendemos com a experiência do COVID-19 e nos preparamos para futuros eventos semelhantes? Que princípios podem orientar as decisões desafiadoras que podemos ter que tomar?

Quando a Keystone Academy, em Beijing, começou as aulas on-line, nosso objetivo era simples: continuar oferecendo oportunidades de aprendizado para nossos alunos por meio de um ambiente remoto e digital. Estávamos no modo de sobrevivência, e esse objetivo nos ajudou a tomar rapidamente decisões sobre distribuição de tecnologia, planejar treinamento e comunicar nossos próximos passos à nossa comunidade de aprendizado.

À medida em que o tempo progredia e nossos dias de aprendizado on-line se estendiam a semanas e depois de semanas a meses, descobrimos nosso objetivo de nos voltarmos à nossa missão escolar, valores e definição de aprendizado. Começamos a estebelecer prioridades com base nos princípios fundamentais de nossa escola. Isso significa que nosso aprendizado voltou a incluir a investigação e as conexões da vida real, enfatizamos o desenvolvimento de atitudes por meio de interações on-line, desenvolvemos avaliações com processo e feedback e comemoramos e incentivamos o voluntariado e o “aprendizado em serviço”.

Lembrar-se do seu objetivo enquanto escola oferece foco e orientação quando sua equipe precisa tomar decisões difíceis. Em situações de crise, é fácil tomar decisões com base em nossas emoções, mas isso pode resultar em experiências de aprendizado negativas para nossos alunos. Como uma comunidade, é importante sempre nos orientarmos para nossos alunos e seu aprendizado. Esse é o nosso dever como educadores, e não podemos perder isso de vista em qualquer ambiente de aprendizado.

É fácil complicar os planos, aulas e avaliações. Você já está em uma situação altamente estressante; procure não tornar as coisas mais complexas. Prefira as ferramentas e recursos com os quais todos já estão familiarizados e use-os bem. Mais ferramentas não significa aprender mais ou melhor. De fato, às vezes menos realmente é mais.

Tente escolher uma ferramenta que será sua âncora e método de comunicação. Crie flexibilidade para seus educadores mais aventureiros e pioneiros, mas a maioria de seus professores e alunos agradecerá que eles só precisarão se concentrar e desenvolver suas habilidades em uma única ferramenta. Isso também facilitará seus formadores, bibliotecários e professores de edtech que possam estar desenvolvendo recursos de treinamento para a comunidade escolar.

A simplicidade também entra em jogo com agendamento e carga de trabalho. Os alunos não terão os apoios que normalmente têm em um cenário regular da sala de aula, e tudo o que fazem podem levar o dobro ou o triplo do tempo. Em uma sala de aula normal, os professores ajustam as aulas à medida que observam o progresso e as reações dos alunos; isso é mais desafiador em um ambiente online. O planejamento de lições mais curtas, que permitam feedback, proporcionará aos alunos uma maneira de se sentirem bem-sucedidos sem ficarem sobrecarregados.

Acima de tudo, lembre-se de que um pouco de bondade ajuda bastante.

Primeiro, aprenda a ser gentil consigo mesmo. Você pode sentir que o tempo está contra você, e tudo precisa estar “ótimo” e concluído ontem, mas se você deixar de lado a perfeição, descobrirá que não precisa “ticar todos os quadrados”.  Esperar o dia seguinte não será o fim do mundo.

Você também experimentará novos aplicativos, aprenderá novas habilidades e explorará novas metodologias de ensino. Às vezes, a tecnologia coopera e a atividade ou plano é bem-sucedido, outras vezes você aprende com as falhas e se ajusta de acordo. De qualquer maneira, comemore seu crescimento.

Exerça compaixão, paciência e graditão. Todo mundo está em uma situação estressante durante uma crise, use palavras de afirmação e apreço em abundância. Líderes, professores, alunos e pais precisam ouvir histórias de sucesso e feedback positivo para manter o ânimo alto.

Lembre-se de que a comunicação pode ser mal interpretada, especialmente em um ambiente online. Um e-mail pode ser lido com o tom errado, um emoji 😬 pode ser mal interpretado e sentimentos podem ser feridos. Se operarmos com a premissa de boas intenções, a comunicação e a colaboração serão mais fáceis e mais bem-sucedidas. Compartilhe recursos e idéias generosamente, local e globalmente. A comunidade educacional é muito maior que a sua própria escola. Use ferramentas de mídia social como Twitter, Facebook e Instagram para alcançar a comunidade em geral.

Cada situação de crise será muito diferente e as minúcias do planejamento também variarão, dependendo da comunidade escolar. Temos as ferramentas, os recursos e agora as experiências para continuar aprendendo além das paredes da escola em circunstâncias atenuantes. Sejamos proativos para planejar e abraçar as possibilidades.

Sandra Chow

Sandra Chow

Director of innovation and digital learning at Keystone Academy in Beijing, China. She has over 18 years of experience as an educator in Canada and internationally, and has won two national awards for technology in education. Her experience as a professional accountant, a cross-cultural educator, and a global trainer/consultant provides her with a unique perspective as a leader. She strives to prepare students and train educators to learn, teach, collaborate, and create in a globally rich society.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *