Documentação pedagógica: tornando a aprendizagem visível – Sphere | International School

Documentação pedagógica: tornando a aprendizagem visível

O contexto atual de ensino remoto e a crescente incerteza com relação ao tempo estimado para o retorno às aulas presenciais tem levado muitos educadores a refletirem sobre o que, de fato, deve ser priorizado, tanto nos processos de ensino-aprendizagem quanto nas formas de  avaliação, nos diferentes ciclos do ensino básico.

A distância física entre professores e alunos parece evidenciar maior heterogeneidade nas aprendizagens dos alunos, mas será que mesmo presencialmente os professores podiam garantir que todos estivessem compreendendo e se desenvolvendo, em ritmos e de maneiras semelhantes, dentro dos objetivos propostos?

Sendo assim, como podemos coletar evidências das aprendizagens dos alunos, seja presencialmente ou à distância? E como podemos usar essas evidências para ajustar o ensino conforme as diferentes necessidades dos alunos?  Nesta direção, a documentação pedagógica ganha papel de destaque, apoiando o processo de ensino-aprendizagem e a avaliação.

Nas escolas que adotam o Primary Years Programme (PYP) do International Baccalaureate (IB), uma visão mais ampliada de avaliação inclui avaliação para a aprendizagem, da aprendizagem e como aprendizagem. O programa considera que a avaliação:

  • Deve ser realizada a partir das evidências de aprendizagem dos alunos
  • Envolve a colaboração entre professores e alunos para monitorar, documentar, medir e reportar as diferentes formas de aprender
  • Reconhece o processo e o produto da aprendizagem

© International Baccalaureate Organization 2018. PYP – Learning and Teaching, p. 76

No escopo do monitorar, documentar, mesurar e reportar, o PYP determina que nas séries iniciais, uma ênfase seja colocada no processo de monitoramento e documentação. Pensando nisso, como podemos auxiliar os alunos a observarem como estão progredindo em suas aprendizagens? Como torná-las visíveis?

A fim de promover a aprendizagem autorregulada, professores e alunos podem lançar mão de um conjunto de estratégias e ferramentas que auxiliam nas quatro dimensões da avaliação.

Monitorar e Documentar

Destacamos aqui duas importantes referências para a documentação pedagógica. A primeira delas é a documentação realizada conforme a abordagem Reggio Emilia; é a escuta e observação atenta das crianças e o registro reflexivo do professor, possibilitando planejar contextos e projetar ambientes que gerem aprendizagem e desenvolvimento. A segunda é a documentação utilizada para tornar o pensamento visível, como ocorre nas rotinas de pensamento, criadas a partir dos estudos do Project Zero, da Universidade de Harvard.

No caso dos registros reflexivos, é importante que as evidências coletadas sejam discutidas colaborativamente entre a equipe docente, possibilitando ampliar as perspectivas dos professores. Também nos diários de aprendizagem dos alunos, a discussão entre pares pode ser uma boa estratégia para que os alunos se conscientizem sobre suas próprias conquistas, desafios e metas. Na documentação das rotinas de pensamento, a própria sala de aula se torna um grande portfolio de aprendizagem. As paredes “conversam” com alunos e professores, refletindo ideias e pensamentos por meio de cartazes, post-its, diagramas e muitos outros recursos multimodais.

Quando falamos em monitorar e documentar aprendizagens, um dos principais instrumentos que apoiam esses processos são os portfólios, que hoje saem do papel e assumem, cada vez mais, formatos digitais mais dinâmicos. Os portfolios digitais podem ser elaborados a partir de plataformas e aplicativos gratuitos, tais como o Google sites e See-Saw, ou pagos, como o Bulb e Manage Bac, por exemplo. Também nos portfólios digitais, o processo de seleção e análise das evidências de aprendizagem deve ser colaborativo, com ampla oportunidade de reflexão e feedback.

Ao dar visibilidade aos pensamentos de seus alunos, os professore recebem indícios de como planejar para novas aprendizagens de modo mais personalizado. Nesse sentido, é também importante lembrar que a coleta de evidências não deve ser apenas voltada ao campo intelectual e acadêmico, mas também ao socioemocional, como exemplificado abaixo em uma autoavaliação com alunos do Year 2 da Unidade Sphere International School em São José dos Campos:

Qual atributo do Learner Profile (IB, 2018) você acredita estar praticando atualmente? Explique sua resposta.

Principled

Gosto de justiça e das coisas certas.

Caring

Gosto de ajudar as pessoas carentes e melhorar o mundo. I think I am caring because I help my friends.

Risk-takers

Experimento coisas novas.

Inquirers

I try my best to learn independently.

Thinkers

Por exemplo, faço uma pintura aí quando eu avalio e penso no que fiz e daí dou alguns toques a mais.

Concluímos este texto retomando a importância da documentação pedagógica como forma de materializar e dar visibilidade às novas aprendizagens e necessidades dos alunos, destacando, por meio de evidências concretas, onde estamos e onde queremos chegar. Com isso, a documentação pedagógica apoia a aprendizagem autorregulada; possibilita que os alunos, ao refletirem sobre suas conquistas e metas, possam realizar escolhas bem informadas, assumindo-se com protagonistas de sua própria trajetória escolar.

Susan Clemesha

Bacharel em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo e mestre em Linguística Aplicada pela PUC-SP. Diretora acadêmica da rede Sphere International School, atua na área de formação de professores e desenvolvimento curricular para a Educação bilíngue (português e inglês) e internacional. Integra o grupo de pesquisa GEEB (Grupo de Estudos em Educação Bilíngue) e o LACE (Linguagem em Atividade no Contexto Escolar), ambos da PUC-SP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *