Investimentos movimentam a economia e ajudam a promover ensino de qualidade – Sphere | International School

Investimentos movimentam a economia e ajudam a promover ensino de qualidade

O Brasil é um país com enorme potencial para investimentos em educação. E os empresários sabem muito bem desse grande mercado a ser desbravado. Segundo reportagem do jornal O Globo, os cinco maiores grupos empresariais de educação infantil do país movimentam por ano um valor de R$80 bilhões.

Mesmo com o encolhimento de 2,2% no número de alunos desde 2013, em parte causado pela crise econômica, a receita 60% superior à das universidades e os 8,8 milhões de alunos divididos em 40 mil escolas privadas, acabam sendo os principais atrativos para esses grandes grupos.

Outro fator determinante que acaba atraindo investimentos para a educação infantil é que, diferente da educação superior, toda cidade, por menor que seja, possui uma escola de educação infantil local, com o público-alvo desejado pelos investidores.

Do outro lado, o olhar dos pais também mudou e isso contou pontos para o ensino privado, principalmente com a chegada da pandemia. Geralmente, escolas com mais recursos acabaram conseguindo se adaptar mais facilmente ao ensino remoto e híbrido e consequentemente ofereceram uma maior segurança aos seus alunos e professores. 

Com metodologia de ensino inovadora, utilização de plataformas de tecnologia, gestão profissionalizada, tendências como educação internacional e uma padronização operacional, o ensino oferecido pelas instituições privadas acaba chamando a atenção não só dos pais. Empresários vêem neste segmento uma possibilidade de negócio seguro e duradouro.

Educação como negócio, sinônimo de segurança e estabilidade

E foi o investimento em um negócio seguro um dos atrativos que chamou a atenção do empresário e educador Paulo Henrique Acedo, um dos franqueados da Sphere International School. Segundo ele, a proposta de negócio oferecida pela rede conseguiu conectar todos os aspectos que ele buscava em uma franquia, como qualidade máxima, rentabilidade e estabilidade.

“Como educador de formação, sempre busquei trabalhar com áreas de relevância social. E não há nenhum setor mais importante e mais transformador socialmente que a educação. Como empresário, procurei por um negócio que unisse rentabilidade, segurança e muita qualidade, promovendo um nível de satisfação máxima aos clientes”, explica.

As franquias e novas escolas próprias abertas por esses cinco principais grupos educacionais brasileiros têm ampliado sua oferta tanto na exploração de novos modelos de negócios, como de forma geográfica. Como nenhum deles ainda está presente em todos os estados brasileiros, ainda há muito o que crescer.

A Sphere International School é um desses exemplos. Além dos três contratos de novas franquias fechados em São Paulo (dois na capital e outro no interior), a rede segue investindo em outras localidades no país. É o caso dos estados de Goiás e Bahia, que receberão futuramente, escolas com o padrão de ensino e qualidade já conhecidos e comprovados pelos alunos da Sphere de São José dos Campos.

E não para por aí! A rede tem em seu planejamento estratégico o objetivo de expandir sua atuação em mais de 80 cidades como Fortaleza, Goiânia, Manaus, Natal, Recife e Rio de Janeiro. Para isso, tem feito pesquisas de mercado e viabilidade e está em contato permanente com investidores e empresários locais. A meta para os próximos seis anos é de abrir 40 novas escolas em diversas regiões do país.

A educação privada ainda é um sonho distante para a maior parte da população brasileira. Entretanto, os investimentos e a concorrência saudável entre os grupos empresariais movimentam a economia do país, geram empregos diretos e indiretos e principalmente, ajudam a promover uma evolução na qualidade do ensino e da forma de aprender dos estudantes brasileiros.

Susan Clemesha

Bacharel em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo e mestre em Linguística Aplicada pela PUC-SP. Diretora acadêmica da rede Sphere International School, atua na área de formação de professores e desenvolvimento curricular para a Educação bilíngue (português e inglês) e internacional. Integra o grupo de pesquisa GEEB (Grupo de Estudos em Educação Bilíngue) e o LACE (Linguagem em Atividade no Contexto Escolar), ambos da PUC-SP.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *